Como lidar com as vozes negativas?

Um homem se sentindo perdido pois está com muitas vozes negativas em sua cabeça

Pensamentos negativos podem judiar muito dos nossos dias. Por isso, leia agora e aprenda como lidar com as vozes negativas!

“Embeleze seu diálogo interno. Embeleze o seu mundo interior com luz, amor e compaixão. A vida vai ser bonita.” – Amit Ray

Não existe melhor maneira de se sentir bem sobre si mesmo do que mudar seu diálogo interno. Sim, você tem o poder de mudar a sua voz interior. Você pode escolher a falar para si mesmo de uma forma positiva ou de forma negativa.

Pare tudo o que você está fazendo agora.

Observe o que sua voz interior está dizendo. Você ouve alguma coisa? Se não, pergunte a sua voz interior.

Ao longo dos próximos dias pare e ouça o seu diálogo interno.

  • Lições poderosas
  • O pequeno mecanismo.
  • Lições a partir dos quatro trens.

Como lidar com as vozes negativas: Lições poderosas.

Eu saí com uma criança de dois anos e meio no outro dia. Ele queria ler um livro e me trouxe O Pequeno Motor de Watty Piper.

Eu li o livro, senti o poder das lições e percebi como elas se aplicam na minha vida.

Como lidar com as vozes negativas: O pequeno mecanismo.

A história é sobre um pequeno trem que leva presentes para crianças que estão entusiasmadas à espera de seus presentes.

No entanto, no caminho para a cidade, o pequeno motor quebra. Os brinquedos ficam chateados e um deles, um pouco palhaço engraçado, saiu para encontrar um outro trem para ajudá-los.

Lições a partir dos quatro trens.

1. O primeiro trem tem um motor novo brilhante.

O novo motor brilhante não queria ajudar o trem de brinquedo porque ele era muito orgulhoso. Ele olhou para o pequeno comboio e disse um sonoro “não”.

Logo me identifiquei e pensei na minha arrogância brilhante. Eu disse a mim mesma que eu era muito especial, muito importante para perder meu tempo e atenção em determinadas tarefas e pessoas.

Mesmo que eu tenha trabalhado esse defeito de caráter, eu sei isso ainda acontece dentro de mim. Notei isso quando marquei de sair com um amigo, que no final acabou levando uma amiga junto.

A mulher parecia estar em seus sessenta anos com enormes seios falsos. Vestida com um vestido apertado, brilhante, que enfatizou os peitos dela e usava saltos altos. Ela falou sobre como sua vida amorosa estava cheia de homens mais jovens.

No momento em que ela disse isso, eu me sentia superior e parei de ouvir o que ela compartilhava. As próximas duas horas eu passei desejando estar em casa assistindo Netflix. Minha voz interior dizia que ela estava desesperada.

Ela poderia ter sido uma pessoa de bom coração, mesmo que ela se vestia de forma provocativa e fez escolhas que eu não faria. Onde estava a minha compaixão ou pelo menos a minha curiosidade?

2. Em seguida, vem um motor Big.

O motor Big se acha muito importante e que não se sente confortável em ajudar. Logo, me fez pensar em meus julgamentos.

Como faço para julgar os outros? Eu perdi oportunidades e conexões porque o meu ego inflado me dizia que eu sou muito importante para se envolver com essa pessoa ou situação?

Aí, lembrei de algumas reuniões que eu havia participado.

Corri para minha reunião ordinária, eu estava um pouco atrasada e me sentei na única cadeira livre. Logo notei um homem que estava sentado ao meu lado, ele tinha uma barba desgrenhada, suas roupas pareciam ter sido desfeita e cheirava um pouco mau. Sem nem pensar direito, fugi o mais longe que pude dele e segurei meu nariz.

Quando ele falou na reunião, eu não quis ouvir. Minha voz interior disse: “Ele não tem nada a compartilhar que poderia ser de valor.” Eu sabia que no final da reunião eu teria que segurar sua mão. Minha voz interior disse: “De jeito nenhum.” Então, eu saí logo antes do encerramento da reunião.

Uma semana depois,

fui na reunião e sentei ao lado de um homem de boa aparência em um terno de negócio puro, ele despertou meu interesse. Eu nunca tinha visto ele em uma reunião antes e eu sempre apreciava um homem de boa aparência, bem arrumado.

Quando o homem falava, eu ouvia atentamente e balançava a cabeça em concordância do que ele dizia. No final da reunião, minha voz interior disse “sim” para segurar a mão do homem. À medida que agarrou as mãos, eu disse: “Eu estou feliz que você está aqui.”

Em seguida, eu me virei para o homem de boa aparência e disse: “Meu nome é Michelle, bem-vindo.” Eu nunca vou esquecer como ele olhou para mim com seus profundos olhos azuis e perguntou: “Você não se lembra de mim, não é? ” Eu balancei a cabeça querendo expressar um ‘não’.

Ele disse: “Eu estava aqui na semana passada, um pouco despenteado. O meu melhor amigo que sofria de alcoolismo tinha se matado, a reunião foi recomendada pelo meu terapeuta para obter ajuda e apoio. Eu estava tão perturbado que eu não estava comendo, dormindo ou cuidando de mim mesmo.”

No momento em que ele contava, lembrei do homem da semana passada, que era ele. Eu fiquei vermelha, murmurei um pedido de desculpas e corri para fora da sala.

Eu nunca vi o homem novamente, mas eu penso nele muitas vezes. Considero ele um anjo enviado para me impedir de ficar com “eu sou melhor do que o outro” em voz interior.

3. O velho motor Rusty.

O velho motor Rusty suspirou e disse que não podia. Ele estava muito cansado e exausto.

Eu, pessoalmente, não estou familiarizada com essa voz interior. Minha voz interior me diz que eu posso fazer qualquer coisa e lidar com a maioria das coisas que vêm. Ma,s eu vi outros executar esta narrativa interna. Uma delas é Jean.

Jean era vibrante, uma linda mulher que possuía uma empresa de publicidade bem sucedida. Em uma época, algumas coisas começaram a dar errado, isso fazia com que ela se sentisse derrotada. Ela me dizia que se sentia velha demais para fazer as mudanças que ela precisava fazer.

Seu negócio começou a falhar e fez com que Jean falhasse também. Ela parou de fazer suas práticas de movimento, ganhou peso e posteriormente, teve duas substituições de quadril. Seu financeiro ficou zerado e Jean foi forçada a vender seu belo condomínio. Ela desistiu da vida que ela havia criado para si mesma ao longo de décadas.

4. Por fim, o motor azul pequeno.

As bonecas e brinquedos não pediram ao trem para obter ajuda. Ele mesmo perguntou: “O que há de errado?”

Logo, me identifiquei com a atitude daquele trem.

Recentemente, mudei meu modelo de negócio para um negócio online, o que exigiu um esforço supremo. Eu recebia todas as manhãs, por mais de um ano a voz interior me dizendo: “Eu acho que posso.” Eu coloquei isso na minha cabeça através de doze horas por dia e você sabe o quê aconteceu? Meu negócio online está forte.

Lições para guardar para sempre:

  1. Ouça sua voz interior arrogante que lhe diz que você não é melhor do que ninguém. Diga a si mesmo para permanecer curioso e compassivo.
  2. Ouça os seus julgamentos internos. Diga a si mesmo: “Eu sou grato pelas pessoas que eu conheço, elas podem me ensinar alguma coisa.”
  3. Ouça a sua voz interior da derrota que lhe diz que você está muito cansado. Altere a voz para “Eu não recebo nada que eu não possa lidar.”
  4. Tome a próxima aventura e diga para si mesmo: “Eu acho que posso. Eu acho que eu posso.”

Se você ainda tem dúvidas sobre ouvir a voz interior, saiba que no Eyhe existem pessoas que já passaram por desafios e hoje estão prontas para te ouvir e acolher. É só clicar aqui!

Tradução Livre. Postado em Tiny Buddha Por Michelle Andrie.

Continue Conectado

Podcast Autoconsciente

(Parceiro Eyhe) Episódio 65