Pare de se preocupar com o que os outros pensam agora!

Uma mulher com uma máscara em seu rosto. Pois, ela finge gostar de algumas coisas para agradar os outros e quer mudar.

“Se preocupe com o que as outras pessoas pensam e você sempre será seu prisioneiro.” – Lao Tzu

Nós, cuidadosamente, escolhemos o que vamos vestir para ir na academia para se certificar de que os frequentadores do ginásio vão gostar da nossa roupa. 

Nós publicamos apenas os melhores autorretratos e adicionamos um filtro lisonjeiro para provar para nós mesmos que somos bonitos e simpáticos.

Vivemos na cabeça das outras pessoas. 

Tudo isso nos faz se sentir desconfortáveis em nossos próprios corpos, o que acaba nos levando a viver de acordo com a percepção de padrões de outras pessoas.

Trazendo sentimentos de julgamento, ansiedade e insuficiência. Nos sentimos antipáticos, fora do padrão.

A verdade é: as opiniões dos outros não são da nossa conta. Suas opiniões têm nada a ver com eles, seu passado, seus julgamentos, suas expectativas, seus gostos e suas aversões.

Eu poderia ficar na frente de vinte estranhos e falar sobre qualquer assunto. Alguns deles vão odiar o que estou vestindo, alguns vão adorar. Outros vão pensar que eu sou um tolo, e os outros vão amar o que eu tenho a dizer. Alguns vão me esquecer assim que sair, outros vão se lembrar de mim por anos.

Pode ser que outros me odeiem porque eu pareço com a sua irmã irritante. Outros vão se sentir compassivos pois eu lembro a sua filha. Alguns vão entender completamente o que eu tenho a dizer e outros vão interpretar mal as minhas palavras.

Vou fazer o meu melhor e ser o melhor que posso ser naquele momento. Mas as suas opiniões irão variar e isso não tem nada a ver comigo.

Ok, “isso eu sei”, você pode estar pensando. “Mas, como eu faço para parar de se importar o que as outras pessoas pensam sobre mim?”

  1. Conheça os seus valores.
  2. Fique em seu próprio negócio.
  3. Saiba que você tem total propriedade sobre os seus sentimentos.
  4. Sim, você está fazendo o seu melhor!
  5. Lembre-se que todos cometem erros.

1. Conheça os seus valores.

Conhecer seus valores centrais superiores é como ter uma lanterna mais brilhante para você através da floresta. 

Como uma brilhante luz das decisões! Esquerda ou direita, para cima ou para baixo, sim ou não. Tudo irá se tornar mais fácil de escolher.  

Por anos eu não tive a mínima ideia de que eu realmente tinha valor. Por isso, eu me sentia perdido na vida e realmente achava que aquilo era a verdade.  Eu nunca me senti confiante nas minhas decisões e eu questionava tudo.

Fazer valores fundamentais de trabalho em mim tem sido um enorme impacto na minha vida. Eu comecei a perceber que a “compaixão” é o meu valor central superior. Agora, quando eu me encontro questionando as minhas decisões de carreira, porque eu estou preocupado em decepcionar os meus pais (um grande gatilho para mim), eu me lembro que a “compaixão” também significa “autocompaixão”.

Se você valorizar a coragem e perseverança, você pode ir para o ginásio com uma roupa mais velha, você não precisa se debruçar sobre o que os outros frequentadores do ginásio pensam sobre você.

Se você valorizar a paz interior e você precisar dizer “não” a alguém que está pedindo o seu tempo, mas você já está ocupado, não sinta-se mal. Mesmo que possam te achar uma pessoa egoísta, você é a sua prioridade! 

Se você valoriza a autenticidade e você compartilha a sua opinião em uma multidão, você deve fazer isso com confiança, sabendo que você está vivendo seus valores e está sendo você mesmo.

Conheça os seus valores e que você valoriza mais. Sua lanterna será mais brilhante!

2. Fique em seu próprio negócio.

Outra maneira de parar de se preocupar sobre o que as outras pessoas pensam é entender que existem três tipos de negócios do mundo. Esta é uma lição que eu aprendi de Byron Katie e eu adoro ela.

O primeiro é o negócio de Deus. Se a palavra “Deus” não está ao seu gosto, você pode usar outra palavra que funciona para você, como o universo ou a “natureza”. Eu uso a “natureza”.

O tempo é o negócio da natureza. Quem morre e quem nasce é o negócio da natureza. O corpo e genes que foram dadas são negócios da natureza. Você não tem lugar no negócio da natureza. Você não pode controlá-lo.

O segundo tipo de negócio é negócio de outras pessoas. O que eles fazem não é o seu negócio. O que o seu vizinho pensa de você não é o seu negócio. Que horas seu colega de trabalho chega não é o seu negócio. Se o motorista do outro carro não ir quando a luz fica verde, não é o seu negócio.

O terceiro tipo de negócio é o seu negócio.

Se você ficar com raiva do outro motorista, porque agora você tem que esperar em outra luz vermelha, é o seu negócio.

Se você está preocupado sobre o que seu vizinho pensa de você, é o seu negócio.

Você só tem um negócio para se preocupar. O que você pensa e o que você faz são as únicas coisas que você pode controlar na vida. É isso aí! 

3. Saiba que você tem total propriedade sobre os seus sentimentos.

Quando baseamos nossos sentimentos em opiniões de outras pessoas, estamos permitindo-lhes controlar as nossas vidas. Estamos permitindo que eles nos controlem igual marionetes.

Se alguém te ignora, você se sente mal. Você pode pensar “ela me fez se sentir desse jeito por me ignorar”. Mas a verdade é que ela não tem controle sobre como você se sente.

Ela ignorou você e você atribuiu um significado a essa ação. Para você, isso significa que você não vale o tempo dela, ou que você não é suficiente simpático ou bastante inteligente.

Então, você se sentiu triste ou com raiva por causa do significado que você aplicou. Você teve uma reação emocional a seu próprio pensamento.

Quando damos a propriedade de nossos sentimentos sobre os outros, nós damos o controle sobre as nossas emoções. O fato da questão é, a única pessoa que pode ferir seus sentimentos é você.

Para alterar isso, você só precisa mudar um pensamento. Este passo, por vezes, leva um pouco de trabalho, porque nossos pensamentos são automáticos ou até mesmo inconsciente.

Mas a primeira vez que você fizer isso, desafie suas emoções, questione e aceite elas. 

4. Sim, você está fazendo o seu melhor!

Uma das coisas mais irritantes que a minha mãe dizia no período do meu crescimento foi: “Você fez o melhor que podia com o que você tinha na época.”

Eu odiava que me dissesse isso. 

Eu tive altos padrões de mim e eu sempre pensei que eu poderia ter feito melhor. Então, quando eu não atendia a essas expectativas, a minha intimidação interna quase explodia. 

Confie que é o seu melhor, você tem a intenção positiva, então você irá fazer o seu melhor. Acredite! 

5. Lembre-se que todos cometem erros.

Vivemos em uma cultura onde não costumamos falar sobre como nos sentimos. Acontece que todos nós experimentamos os mesmos sentimentos e quase todos os erros também. 

Mesmo se você está vivendo em sintonia com os seus valores, mesmo se você estiver hospedado em seu próprio negócio, mesmo se você estiver fazendo o seu melhor, você vai cometer erros.

E daí? Todos nós erramos. 

Ter compaixão por si mesmo é mais fácil quando você entende que todo mundo já se sentiu assim.

A única coisa produtiva que pode fazer com seus erros é aprender com eles. Depois de descobrir a lição que você pode tomar a partir da experiência, se torturar não é necessário e é hora de seguir em frente.

Pare de se preocupar com o que as outras pessoas pensam.

Isso irá mudar sua vida.

Tradução Livre. Postado em Tiny Buddha.

Se você estiver vivendo alguma dificuldade, saiba que no Eyhe existem pessoas que podem te ajudar! É só clicar AQUI!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Continue Conectado

Podcast Autoconsciente

(Parceiro Eyhe) Episódio 65